https://i0.wp.com/3.bp.blogspot.com/_uyoXCWJ_lU0/SrQlNaeX4EI/AAAAAAAAAO0/6el3-BKRXAU/s1600/%C3%A9tica+no+jornalismo.jpg?resize=222%2C224

O filme “O Jornal” mostra o jornalismo em ângulos diferentes, e o que mais chamou a atenção foi a falta de ética e consciência moral da editora executiva Alicia Clarck, ao publicar uma notícia não verídica, que acusava dois jovens negros de classe baixa como mentores do assassinato de dois bancários.

Ainda bem que no meio jornalístico não existe só bandido, mas mocinhos também. Grande prova foi o editor de cidades Henry Hackett, que mesmo sofrendo ameaças da editora chefe, não se acovardou e foi atrás da verdadeira notícia, em busca de provas convincentes da inocência dos dois suspeitos.

Na verdade o assassinato não passou de uma farsa para colocar os garotos como “bodes espiatórios”. Hackett, que cuidava do caso, vê indícios do que pode acontecer e tenta persuadir a editora executiva Alicia Clarck dizendo “não se deve acusar ou julgar uma pessoa sem ter provas e na dúvida é melhor perder a matéria do que incriminar pessoas inocentes”.

Mesmo não conseguindo a aprovação da editora chefe, o editor envia um repórter para conseguir depoimentos que absolvessem os garotos daquela acusação. Mesmo não conseguindo indícios nenhum, o próprio editor se vê obrigado a correr atrás de suas próprias fontes para que fornecessem a ele comprovação de suas suspeitas.

Existem vários conflitos no filme, entre eles, a doença do diretor de redação do jornal, Bernie Wite e sua fuga no álcool achando que a bebida seria a solução dos problemas que ele enfrentara com a redação jornal.

O trabalho no jornal é árduo, dependendo às vezes de tempo integral do funcionário, que sempre tem que abrir mão do convívio familiar em prol da empresa onde trabalha. A esposa do editor Martha Hachett, grávida e se sentindo sozinha diante a carga horária do marido, que não tinha horário para chegar em casa, a visita de seus pais que chegam de longe e ele não pode comparecer devido aos compromissos no trabalho.

O filme deixa bem claro o conflito ético e o poder entre hierarquias dentro do jornal. O editor Henri Hackett vive entre as regras do luxo e da honra, evidenciando a rotina de uma redação de jornal com compromissos e deveres, tanto do jornalista como da redação, levando assim, á uma discussão e definição dos conflitos no jornalismo.

Foto tirada do Blog: williaminforma.blogspot.com

Jornalista: Agnaldo Moreira

 

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *