O planeta Terra desde que teve seu resfriamento, tem a mesma quantidade de água. Pouco mais de 5% da água existente no planeta é potável e doce, e o restante salinizada, abundantemente encontrada nos oceanos e mares. O fato é que a população humana cresceu muito atingindo cerca de seis bilhões de pessoas em todo o mundo. Cada indivíduo consome em média três litros d´água por dia, certo de que há indivíduos que não tomam água todos os dias, e se o fazem tomam pouca água; como por exemplo os tuaregues, os sertanejos do Brasil etc. Portanto, esse conceito é relativo e trata-se de uma média, ou seja, uns indivíduos compensam os outros, em perfeito controle da natureza. De outro modo, há uma pressão nas sociedades de consumo pela água potável doce ou dessalinizada. Isto impacta nossa principal necessidade e primeiro problema da política, qual seja assegurar que a sociedade exista hoje, amanhã e no futuro. COMIDA!

Deste modo, esta pressão atinge um alto consumo de água para a produção de alimentos, pois a água é a fonte de vida dos seres orgânicos animais e vegetais. Por outro lado, a sociedade de consumo que precifica tudo, quer fazer valorizar a água como bem de consumo e não como um bem social, pois cada vez mais as pessoas passam a consumí-la conscientemente como um produto, e não como um meio imemorável de vida, como sempre foi e deve continuar sendo! Os arautos do apocalipse pregam as guerras pela água, nunca houve isso na história da humanidade, os povos brigam, lutam e pelejam por riquezas, ouro, prata, petróleo, diamantes etc. A água passa a ser uma riqueza que querem fazer valorizar no presente e no futuro próximo. Para isso permitem que os rios, córregos, lagos, mares, minas, fontes e nascentes sejam contaminadas, poluídas, e reservam uma parte deste manancial para si, como fonte de ganho no futuro. Esta gente chama-se na ciência política de Inteligência, ou seja, quem manda e pensa no mundo, na política, nos governos, nas empresas, nos conglomerados industriais, etc.

A valorização da água como recurso escasso, é uma fraude, que tem sido encampada pelos governos mundiais, mas o fato é que essa história de falta d´água, é falsa. Os rios continuam a correr em seus cursos, e generosamente nos oferecem água todos os dias, os ciclos de chuvas embora com algumas sazonalidades são os mesmos, e muito bem conhecidos há séculos pelos cidadãos de todas as partes do mundo, dos geólogos, dos geógrafos, meteorologistas, químicos, físicos, etc. O problema então não é de falta d´água, mas da qualidade da água a ser usada para o consumo humano e outras finalidades.

Diante deste quadro, os governos, como instâncias de regulação da vida coletiva, não fizeram seu dever de casa, pois deixaram poluir boa parte das águas e suas fontes. Não fizeram as obras de captação de água e de sua distribuição adequadamente; mas cobraram por tudo isso durante anos, como por exemplo, o fez a COPASA em Minas Gerais, a SABESP em São Paulo etc. Paradoxalmente a concessão de exploração de serviços de água e esgoto é responsabilidade do município no Brasil, e onde o serviço não foi entregue para a COPASA OU SABESP, funciona bem nas cidades e não falta água. Podemos então antever um problema, qual seja a exploração para dar lucro de serviço público essencial à vida, como já ocorre com os medicamentos. O interesse público está em último plano e o lucro em primeiro lugar, atendendo a uma lógica de consumo de mercado e não a da sobrevivência das pessoas. Para dominar o mercado, foram aprovadas leis ambientais que restringiram o uso particular das águas pelo cidadão, mas por outro lado asseguraram o seu uso pela agricultura de larga escala, pela mineração, e pela indústria de modo geral. O cidadão de bem não pode sequer abrir uma cisterna mais, tem que comprar água da COPASA, SABESP ETC. Leis ambientais?! O Ser não pode ter acesso à água, mas o Ente, a Instituição pode; fazendas, indústrias, mineradoras, Companhias de saneamentos etc. Uma lógica inversa que deve ser revista, sob pena de sucumbir à existência das sociedades. Talvez esse seja o plano, causar escassez, aniquilar por meios diversos os menos preparados. GUERRA PELA ÁGUA!

A incompetência dos governos, sua omissão, e seu despreparo vão de encontro a algo maior em escala global planejado pelos membros universais da Inteligência, que querem tornar a água um bem de alto valor agregado, atentando contra toda a humanidade! Em verdade não falta água, a água que existente aqui e alhures é suficiente para todos indefinidamente. O que falta é planejamento na captação e distribuição social da água, e não o que querem fazer com todos nós, um planejamento comercial de distribuição da água, pois em assim fazendo criam por vontade própria e manipulam os governos para que a água um recurso abundante se torne escasso e valorizado, vendável, e pronto para ser o ouro líquido do futuro. QUEREM NOS TIRAR A FONTE ETERNA DE VIDA QUE BROTA GRATUITAMENTE DO SEIO DA TERRA E NOS DÁ VIDA!

A VERDADE é que a água não esta faltando, o que falta é vontade de fazer da água um bem social e não um bem comercial como hoje. Se a indústria de mineração usasse menos águas, sobraria mais água para consumo humano, se a agropecuária usasse menos e com mais qualidade também sobraria água para as pessoas. No nosso caso específico, o desperdício é de cerca de 45% na distribuição, então não falta água, falta penalizar as concessionária por este desperdício. Os governos são os principais responsáveis, pois pensam no crescimento sempre de forma segmentada e com vistas ao mercado e não para as pessoas que são a última preocupação dos governos, seis bilhões de pessoas, milhões a menos, não fará falta alguma, assim pensam! Portanto, minha gente, tem água sim, basta despoluir os rios, mudar as concessões e outorgas do uso da água, proteger os rios e nascentes com incentivos diversos, fazer estações de tratamento da água, educar o consumo, etc. Sem falar que novas tecnologias apontam que podemos extrair água até mesmo do ar, dessalinizar a água do mar, como ocorre em Israel e outras partes do mundo, transformar esgoto em água potável, etc. Esta visão apocalíptica é puro marketing de quem quer lucrar com a venda de água que deve ser assegurada de graça ou a preços módicos, pois é parte de nossa vida, nossa existência, somos um planeta água, 70% de nosso corpo humano é de água! Qual a solução um planejamento social da captação da água e não um planejamento comercial do processo de captação e distribuição da água. As concessões e outorgas têm que ser revistas sobre a exploração das águas. Temos que decretar a água e seu acesso um direito universal inalienável do ser HUMANO dos SERES VIVENTES DE NOSSO PLANETA hoje e sempre! E VIVA A ÁGUA FONTE ETERNA DE VIDA!

 

Matéria: Alexandro de Souza.

Cientista Político, sociólogo e advogado.

 

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *