Um país de todos nós

         Com a economia do Brasil a beira de um abismo, um colapso geral vem tomando conta do país e a cada dia vai dando sinais de deterioração. O mercado formal vem mostrando sinais de negatividade e o pior de tudo, a sombra do desemprego nos ameaça a cada momento. Segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o mercado de empregos em novembro do ano passado registrou saldo líquido (admissões menos demissões) negativo de 130.629 empregos, pelo oitavo mês consecutivo.

Dados do Caged Indicam ser o pior resultado para o mês da série histórica iniciada em 1992. No ano de 2014, foram criados 8.381 postos de trabalho. Já comparando com o mês de outubro, formam eliminados 169.131 postos, havendo uma queda no ritmo dos desligamentos. Já a economia do país continua se deteriorando nos meses de janeiro a novembro fechado vagas com carteiras assinadas no patamar de 945.363 vagas com carteiras assinadas superando em 12 meses as demissões em 1,5 milhão afirma o Ministério do Trabalho.

Minas Gerais foi o segundo estado na eliminação de postos de trabalhos em novembro com 18.734 demissões. Em contra partida São Paulo foi o estado que mais demitiu cortando 32.291 vagas e no ano somou uma redução de 131.224 postos e, em 12 meses, 198.506 no estado. A indústria de transformação foi o setor que mais demitiu no país e em Minas Gerais fechando 77.341 postos de trabalhos. Só em fábricas mineiras foram cortados 8.828 empregos.

O Caged deixou claro que, O mal resultado de novembro contribuiu para que o setor também tivesse o maior saldo negativo em 12 meses, com 414.075 vagas fechadas. Isso não para por ai, a construção civil não ficou para trás e cortou 7.940 empregos em Minas Gerais e 55.585 no país. Em 12meses, o setor já fechou 309.226 postos de trabalho.

Nosso estado também contribuiu com um péssimo resultado na agricultura e reduziu as contratações com carteiras assinadas em 5.546 vagas. Já na contramão da crise em novembro do ano passado o comércio deu uma melhorada nos postos de trabalho abrindo 5.546 vagas em Minas Gerais e 52.592 no restante do país impulsionados pela festas de finais de ano. Os únicos setores que contrataram mais do que demitiram foram agropecuária e administração pública, com saldos de 68.416 e 9.336 vagas.

Segundo o diretor do Departamento de Emprego e Salário do Ministério do Trabalho, Márcio Borges “O resultado do emprego formal em novembro já era esperado”. Borges afirma ainda que “As empresas ao longo dos últimos meses fizeram reajustes diante da crise econômica e do cenário de incertezas”. Isso fez com que o saldo de dezembro, tradicionalmente negativo devido às rescisões dos contratos temporários, ficasse inferior à média de 300 mil desligamentos.

No cenário de incertezas e incompetências de nossos governantes não há país que consiga sair de uma grave crise econômica como essa que estamos enfrentando. Fique ligado, o Brasil é de todos nós e não de governantes corruptos e incompetentes como o que estamos vendo por ai.

Jornalista: Agnaldo Moreira

Related Articles