Varizes: É bom se cuidar

        Estudos da Sociedade Brasileira de Angiologia e de cirurgia vascular (SBACV) mostram que, as varizes devem ser tratadas desde o início para evitar a sua evolução e agravamento. Segundo dados da SBACV, há uma predominância de 38% na população geral brasileira, sendo que 30% são homens e 45% mulheres. Essa enfermidade, normalmente é de origem genética e começa a aparecer desde a adolescência nas variações hormonais.

Em idades mais avançadas e não havendo tratamento precoce, sua evolução é progressiva e constante chegando a dominar mais de 70% das pessoas acima de 70 anos. Os sintomas começam a surgir iniciando com dores e edemas nos membros inferiores, ocasionalmente surgindo manchas na pele, eventuais úlceras varicosas e até mesmo trombose venosa. A proporção da doença é de até 2,3 mulheres para cada homem. No caso das mulheres ainda se torna mais grave com o uso de anticoncepcionais por longos períodos, e terapia de reposição hormonal.

As varizes podem causar diversos problemas desde ardência na perna, sensação de peso nas pernas, incômodo nos locais afetados, edema e câimbra. As veias mais grossas trazem o risco de uma inflamação e coagulação numa veia superficial a qual damos o nome de flebite. Segundo o diretor de publicações científicas da Sociedade Brasileira e de Cirurgia Vascular, Bruno Naves “As varizes são veias dilatadas, tortuosas e que perdem a sua função, que é levar o sangue de volta ao coração”.

Bruno Naves afirma ainda que, podemos ter veias muito finas, de cor rosa ou violácea, com calibre entre 0,1mm e 1mm, reticulares, que são um pouco maiores que as anteriores, com calibre médio de até 4mm, e veias varicosas acima desse diâmetro. O único jeito de minimizar a situação é fazer uma atividade física regular trabalhando a musculatura da panturrilha, evitar períodos muito longos na mesma posição, usar roupas mais confortáveis, fazer uma dieta rigorosa em fibras, cereais, frutas e vegetais para ajudar no controle do peso.

Segundo declarações do vice-presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular Ivanésio Merlo, “O paciente portador de varizes está mais suscetível a tromboflebites, tromboses venosas e até embolia pulmonar”.

Merlo declara ainda que, a doença crônica venosa pode, com o passar dos anos, levar ao aparecimento de pigmentação escura, eczema e sangramento espontâneo culminando com a úlcera variçosa na perna de difícil tratamento. Não se acaba com as varizes tendo em vista que o problema vem da genética das famílias e os procedimentos existentes são para tratar e controlar a doença.

O tratamento das varizes e microvarizes podem ser feitos com injeções (líquidos ou espuma densa) com laser transdérmico. Há ainda a cirurgia convencional ou realizada com auxílio do laser e da radiofreqüência. O angiologista/cirurgião vascular saberá indicar o melhor tratamento para cada caso e procurará a melhor maneira possível de encontrar o tratamento adequado para a solução dos problemas do paciente. Por isso fique atento, a qualquer sinal da doença, procure o seu médico.